𝐈 𝐀𝐋𝐑𝐄𝐀𝐃𝐘 𝐂𝐇𝐎𝐒𝐄 | a Tanner Buchanan fanfic - 1. let's eat pizza (2023)

 

Pov: Charly May

AI. MEU. DEUS. Eu tô surtando, falta menos de um mês pra minha formatura, fui hoje até a costureira pegar meu vestido lilás (que aliás é minha cor preferida junto com o verde oliva, eu sei, elas não combinam muito então eu tinha duas opções, parecer uma azeitona ou a Olivia Rodrigo no baile, acho meio óbvia qual foi a minha escolha), eu nem acredito que no próximo ano não vou mais conviver com as piadinhas idiotas do Oggie e do Mason, aqueles dois me tiram do sério, por mais que bem de vez em quando eles sejam engraçados (não deixe que eles escutem isso, o ego dos dois já é bastante elevado e eu não preciso de mais essa chateação no meu atual estado, obrigada). Enfim, depois que passei na costureira fui em casa deixar meu vestido lindo são e salvo no meu armário e parti para a minha aula de Karatê, estava quase pegando faixa roxa e os exames eram daqui a menos de uma semana, como se não bastasse a pressão da formatura e as inevitáveis perguntas "E a faculdade? "Você vai pra Duke cursar direito, não é?". Mas tirando toda essa coisa do exame de faixa, o Karatê me ajudava a relaxar e extravasar meus nervos, no final das contas, era a única parte onde eu me sentia eu mesma.

Eu sempre quis ser atriz e seguir para o lado das artes, mas nunca tive o apoio de ninguém ao meu redor, meus pais sempre contaram comigo para ser advogada pois acreditam que eu tenho o poder de argumentação necessário para tal, e desde que essa história começou eu nunca tive coragem de dar contra os pensamentos deles, então a coisa só foi tomando proporções maiores. Sempre fui representante de turma e tive facilidade de falar com todas as pessoas da Constance High, fora as milhões de atividades extracurriculares que minha mãe sempre me inscreveu, juntou tudo isso com a amizade que meu pai tem com um professor universitário e pronto, tenho meu lugar reservado na Duke. Parece tudo simples quando eu falo, mas na real eu gostaria de decidir meu rumo, sinto que se eu entrar na Duke estaria roubando o lugar de alguém que realmente queira estar lá.

Depois do treino cheguei novamente em casa pendurando minha chave no porta-chaves e chamei por minha cachorrinha, a Maggie, a esta hora ela era o único ser vivo por lá. Não demorou muito e a minha Golden gigantesca estava cheirando meus pés e abanando o rabo me dando boas vindas.
— Oi meu amor, está com fome? Vem, corrida até a cozinha. — Me afastei dela indo até o final do corredor onde a cozinha ficava, abri um dos armários debaixo e peguei sua ração para repor no pote. Esses pequenos momentos tranquilos é que me faziam seguir em frente com tudo aquilo sobre minhas costas. Após tomar um banho e dar uma organizada no meu quarto meus pais chegam do escritório da empresa de colchões que os dois tinham fundado juntos, a Feathers Colchões, e como sempre, o assunto era o mesmo, reclamações dos funcionários.

Antes de descer as escadas escutei um breve papo entre eles.
— Não acredito que a Melinda ainda não preencheu a papelada que eu enviei semana passada, sabe, eu acho que ela deve estar querendo sair da empresa mas não sabe como. — Minha mãe, sempre tão doce.
— Ah Pen, você sabe que ela nunca oi tão competente, devíamos ter deixado ela na antiga função, menos responsabilidade. — Respondeu meu pai, tão meigo quanto. Resolvi fazer companhia a Maggie e também me juntei aos dois.
— Oi pai, oi mãe, nossa, Maggie, faz tempo que não te levo pra passear, o que acha de irmos dar uma volta, querida?
— Enquanto eu me abaixei em frente a Maggie e ela lambeu meu rosto em sinal de afirmação ao convite observei de canto meus pais sorrindo e olhando pra mim.
— Essa é a nossa menina de ouro, meu orgulho. — Sr. Howard sabe ser fofo.
— Filha, vá, mas não demore, vamos pedir pizza para o jantar. — Alertou mamãe enquanto eu sorria para meu pai e me distanciava pegando a guia da coleira de Maggie.
— Ok mãe, em 20 minutos no máximo estou de volta.

Assim que sai vi o início daquele lindo pôr do sol que parecia uma pintura no céu, respirei fundo e comecei a caminhar pelo condomínio onde eu moro, logo vi meu melhor amigo e vizinho Mason se aproximando de sua casa, ele estava todo suado pois tinha treino de futebol americano às quintas, eca.
— Fala vizinha. — Sorriu abrindo os braços como quem estava prestes a me abraçar.
— Não, não, nesse estado não, bonitão. — Coloquei a mão contra seu peito o impedindo de chegar mais perto.
— Ah, qual é...Não seja chata, Charlotte. — Ele sabia que eu odiava meu nome inteiro.
— Não conheço ninguém com esse nome. — O contrariei olhando pro lado.
— Charly, Charly...Eu só queria um abraço, poxa. — Mason amava se fazer de coitado.
— Não antes de um banho, vai agora, rapaz. — Apontei para a porta da casa dele quando minha mãe apareceu na janela da nossa.
— Mason, querido, vou pedir pizza daqui a pouco, venha jantar com a gente. — Ela adorava o panaca, e eu que lute pra aguentar ela puxando o saco dele.
— Claro, Sra. May, eu apareço sim. — Mason sorriu e quando minha mãe desapareceu com as cortinas ele voltou a encher meu saco.
— Olha, depois do banho quero meu abraço...Te vejo em 15.
— Piscou, sorriu de canto e correu para a varanda da sua casa. Eu fiquei parada com um sorriso bobo o vendo entrar.
— Te vejo em 15. — Falei abaixando o tom após perceber que provavelmente ele nem tinha ouvido, então chacoalhei a cabeça e voltei a andar com a Maggie. É...Eu não sei se deu pra perceber, mas eu talvez meio que quem sabe goste um pouquinho dele desde o 1º ano do ensino médio, em minha defesa ele fica muito fofo bravo. As únicas que sabem são minhas três melhores amigas, Nath, Luna e Piper, e elas não conseguem entender o que me motiva a continuar com esse crush, na real acho que nem eu sei.

Quando pisquei já tinha dado uma volta no condomínio e Maggie estava com a língua de fora de tanto andar, então entramos em casa e damos de cara com Mason no sofá mexendo na minha conta da Netflix, aquele folgado.
— MÃE, TEM UM MENDIGO NO NOSSO SOFÁ. — Sério? Por que eu sou assim?
— Querida, seja mais gentil, Mason é nosso convidado.
— Disse minha mãe da cozinha. Mason riu mas estava entretido bisbilhotando quais programas eu assistia.
— "Brincando com fogo"? Você não tem vergonha nessa cara? — Jogou uma almofada que bagunçou meu cabelo.
— "Eu nunca" é péssima, a Devi é um saco...Ei, me lembrei que eu sempre falo pra você assistir "Cobra Kai" e você nunca começa, mas tem todo o tempo do mundo pra ver reality de gente se pegando, né? — Mason perguntou.
— Além de folgado fica falando mal do que eu gosto de assistir, vê se pode? Tira essas pernas daí e vai pro lado que eu quero sentar no sofá, bobão. — Sentei ao seu lado e reparei Maggie encostada na perna dele, ela amava quando ele fazia carinho nela.

Ficamos ali brigando pelas séries até que ouvimos o barulho da campainha e em seguida o grito da minha mãe.
— O dinheiro está na mesinha da entrada, Charly. — Eu fui me levantar quando senti um braço em frente a mim.
— Deixa que eu pego. — Mason sorriu de canto e saiu do meu campo de visão para pegar nossa pizza. Ele voltou com a caixa já aberta admirando nossa comida, enquanto eu chamava meus pais pra virem pra sala.
— Você é folgado, hein garoto? — Disse meu pai em tom de brincadeira.
— Até que enfim alguém que concorda comigo. — Ergui as mãos dando risada.
— Pô, Sr. May, achei que fôssemos parceiros. — Mason entrou na brincadeira.
— Já te falei pra me chamar de Ward, sem formalidades aqui. — Meu pai encostou no ombro dele e sentamos na sala para escolher o filme e comer.

Após comermos e assistirmos o clássico "Gente Grande", eu e Mason subimos pro meu quarto pra ele pegar meus deveres e copiar, sorte a dele me ter como melhor amiga, porque eu jamais passaria pra mais alguém copiar minhas coisas.
— Valeu, te devo uma. — Disse ele segurando os papéis.
— Eu que devo, vem cá. — Sorri, abri os braços esperando ele vir completar o abraço.
— Até que enfim, então estamos quites. — Mason sussurrou.
— Você é muito insistente, sabia? — Meu sorriso se fechou e nos afastamos lentamente, mas no momento em que nossos rostos se cruzaram fixamos um no olhar do outro e ali paramos por alguns segundos, até retomarmos a consciência.
— É...Eu vou indo, tenho que copiar isso aqui ainda antes de dormir. — Ele levantou as folhas enquanto eu olhava pra baixo com vergonha passando a mão atrás do pescoço.
— Claro, claro, é, bom...Boa noite. — Sorri completamente sem graça. — Até amanhã, Charly. — Ele se despediu.

••••••••••

E aí, o que acharam do 1º capítulo? :))

Top Articles
Latest Posts
Article information

Author: Prof. Nancy Dach

Last Updated: 03/20/2023

Views: 6592

Rating: 4.7 / 5 (57 voted)

Reviews: 80% of readers found this page helpful

Author information

Name: Prof. Nancy Dach

Birthday: 1993-08-23

Address: 569 Waelchi Ports, South Blainebury, LA 11589

Phone: +9958996486049

Job: Sales Manager

Hobby: Web surfing, Scuba diving, Mountaineering, Writing, Sailing, Dance, Blacksmithing

Introduction: My name is Prof. Nancy Dach, I am a lively, joyous, courageous, lovely, tender, charming, open person who loves writing and wants to share my knowledge and understanding with you.